Excesso de Confiança, Otimismo Gerencial e os Determinantes da Estrutura de Capital

Título: Excesso de Confiança, Otimismo Gerencial e os Determinantes da Estrutura de Capital

Autores: Lucas Ayres Barros, Alexandre Di Miceli da Silveira

Resumo/Sinopse: Este estudo investiga os determinantes da estrutura de capital das empresas introduzindo uma perspectiva comportamental ainda pouco explorada na literatura da área. De um conjunto de teorias recentemente desenvolvidas, deriva-se a seguinte predição central: empresas geridas por indivíduos otimistas e/ou excessivamente confiantes serão mais relativamente endividadas do que as demais, ceteris paribus. Propõe-se diferentes proxies para o otimismo/excesso de confiança baseadas no status do gestor como “empreendedor” ou “não-empreendedor”, proposição esta respaldada por teorias e sólida evidência empírica, bem como no padrão de posse de ações da própria empresa por parte do seu gestor. O trabalho inclui, ainda, os candidatos a determinantes utilizados previamente na literatura sobre estrutura de capital no Brasil e no exterior. A amostra compõe-se de 153 empresas com ações negociadas na Bovespa e com dados disponíveis entre 1998 e 2003. A análise empírica sugere que as proxies para os referidos vieses cognitivos figuram entre os principais determinantes da estrutura de financiamento. Também se mostraram relevantes, em maior ou menor grau, os indicadores de lucratividade, tamanho, pagamento de dividendos e tangibilidade, bem como algumas variáveis que capturam os padrões de governança corporativa das empresas. Os resultados aqui reportados sugerem que abordagens comportamentais baseadas nas pesquisas sobre a psicologia humana podem oferecer uma contribuição relevante para a compreensão dos direcionadores das principais decisões corporativas.

Data de publicação: 2008

Periódico/Editora: Revista Brasileira de Finanças

Edição: 6

Palavras-chave: estrutura de capital; finanças comportamentais; vieses cognitivos