Ciclo de conferências FEA 70 anos: “Repensar o Brasil”

Para inscrição, clique no link: https://goo.gl/forms/FhDYW8hFIgbw77eb2
Dúvidas: fea70.futuro@usp.br

A programação que marcará o 70º aniversário da FEAUSP centra-se no debate dos grandes temas deste momento decisivo da vida nacional.

São temas que também apontam o horizonte em perspectiva de uma faculdade da USP voltada, no curso de uma trajetória, para a formação de profissionais em níveis de graduação e pós-graduação, suprindo a governança pública e empresarial de quadros qualificados em todas as aferições de mercado. O seu futuro, mais do que o de qualquer outra instituição de pesquisa e ensino, atrela-se ao destino do País.

Nesta quadra histórica impõe-se, como nunca, um combate sem tréguas à inação geradora, no presente, de custos que tornam o futuro mais oneroso e menos produtivo. As reformas estruturais em debate, caso aprovadas no Congresso, exigirão nas instâncias do governo e das empresas, gestores habilitados a lidar com os seus impactos. Em nenhum outro momento o Brasil exigiu tanto a formação de economistas de larga visão, administradores capazes, contadores e atuários talentosos, todos aptos a prevenir notórios desacertos na governança pública e privada para a construção de um futuro melhor.

Como vêm sendo preparados, na FEA, os quadros a serem demandados por uma nova governança no mundo corporativo e nas esferas da gestão pública? O que poderemos aprender com as reformas iminentes? Estas duas perguntas orientam a programação a seguir e que trará, para o ambiente acadêmico, a contribuição e a expertise acumuladas na USP e na sociedade civil.

 

TEMAS NACIONAIS

TEMA I: Governança pública e governança empresarial

Repensar o Brasil, seus desafios e reformas – eis o propósito central deste Ciclo, que terá em sua abertura uma Conferência Magna a ser proferida por Pedro Parente, Presidente da Petrobras. O tema desta iniciativa figura no primeiro plano do debate sobre os rumos da economia. Exige-se das instituições públicas, incluídas empresas estatais e ministérios, uma profunda revisão em suas estratégias. Depois de um período em que se esgotaram, pela força do tempo, alguns modelos e práticas, emergem novos conceitos e procedimentos, em linha com grandes e ousadas reformas estruturais. Ao segmento empresarial cumpre, neste cenário, um papel decisivo na retomada do crescimento e no estímulo a um ambiente avesso à ilicitude, focado na competitividade, inovação, investimentos e reconstrução do mercado de trabalho. Ao poder público, a partir do comando da economia, compete o equilíbrio fiscal, eficiência em suas instâncias operacionais, reforço da infraestrutura e incentivo multi-setorial à produção. Cresce, nestas duas esferas da vida nacional, um combate sem tréguas à inação geradora de custos que tornam o futuro mais oneroso e menos produtivo. Entre as estatais, destacam-se a Petrobras e o trabalho do seu executivo principal, com larga experiência no universo competitivo e na administração pública, ora em face do maior desafio já enfrentado por um gestor brasileiro: recuperar a maior empresa do País, alvo de acontecimentos que comprometeram seu desempenho, macularam sua imagem e expandiram perigosamente o seu endividamento. Espera-se que o conferencista faça o possível balanço parcial deste esforço e ofereça uma reflexão sobre os traços distintivos entre a governança pública e a governança empresarial, nas quais vem sendo, ao longo de sua carreira, um exitoso protagonista.

Conferencista: Pedro Parente, Presidente da Petrobras
Data: 2ª feira – 26 de setembro, das 8h45 às 10h30

TEMA II: Integridade corporativa no Brasil

O exercício da governança corporativa é dos temas nacionais de maior relevância na atualidade, tendo em vista seu impacto sobre a competitividade das empresas e o crescimento econômico do País. Para assegurar a integridade corporativa torna se necessário garantir a articulação das atividades entre as quais a auditoria; compliance, controles internos, ética empresarial, segurança corporativa e sustentabilidade. Neste sentido, o mapa conceitual da governança corporativa integra com destaque o “compliance” ou conformidade. Com base na experiência acumulada nos últimos anos, Nelson Carvalho, Sandra Guerra e Jerônimo Antunes analisam como as novas tecnologias digitais modificam o contexto no qual atuam os profissionais da contabilidade? Como o novo relatório da auditoria independente lida com estas mudanças de contexto? Quais são os desafios que decorrem destas mudanças de contexto para os profissionais da contabilidade? Como o relatório integrado pode contribuir para aprimorar no Brasil a qualidade da informação corporativa em uma abordagem mais coesa e eficiente para o mercado e para a sociedade?

Conferencistas: Nelson Carvalho, Sandra Guerra e Jerônimo Antunes
Data: 5ª feira – 13 de outubro, das 11h às 13h

TEMA III: Previdência Social: um modelo equilibrado e duradouro?

Um modelo equilibrado e duradouro de Previdência Social deve levar em conta as profundas mudanças demográficas em curso que se traduzirão em um rápido envelhecimento da população. Deve também considerar os impactos das inovações tecnológicas no mercado de trabalho, além de conciliar as necessidades de proteção social e de crescimento, induzindo a poupança de longo prazo. Professores da FEA/USP e pesquisadores da Fipe têm, há muito, defendido essa ideia porque estão convencidos que este é o caminho para equilibrar de forma duradoura a Previdência Social. Nesta conferência, os pesquisadores Prof. Hélio Zylberstajn, Luís Eduardo Afonso e Eduardo Zylberstajn apresentarão o desenho que têm sugerido para a nova Aposentadoria, capacitando assim a Previdência Social a enfrentar os desafios das próximas décadas. Para finalizar, os conferencistas avaliarão o custo para o país de continuar a adiar o enfrentamento dessa relevante questão.

Conferencistas: Hélio Zylberstajn, Luís Eduardo Afonso e Eduardo Zylberstajn
Data: 2ª feira – 24 de outubro, das 11h15 às 13h

TEMA IV: Ajuste fiscal e desenvolvimento no Brasil

A crise financeira de 2008 ocasionou profundas repercussões na geopolítica mundial, no comércio entre países, nos hábitos das populações, na oferta de empregos e no ritmo dos investimentos. No Brasil, de 2009 a 2014, a política econômica contra-cíclica lastreou-se na baixa relação dívida pública / PIB, em crescentes reservas e como resultado o desemprego esteve em queda. Esta política econômica induziu a redução de juros, a elevação da despesa pública primária e o abrandamento fiscal. Sete anos depois da crise financeira, no entanto, a produção está caindo e o desemprego aumentando. O declínio contínuo do superávit primário passou nos últimos anos para um déficit, fazendo com que ocorresse um crescimento vertiginoso da dívida pública. Neste quadro desafiador como promover o ajuste fiscal nos Estados e na Federação para retomar de forma duradoura elevados níveis de desenvolvimento?

Conferencistas: Carlos Antonio Luque, Nessim Zagha e Simão David Silber
Data: 3ª feira – 25 de outubro, das 11h15 às 13h

TEMA V: A desigualdade no Brasil

O objetivo desta conferência é analisar as diferentes facetas da desigualdade no Brasil, enfatizando suas dimensões pessoal e regional. O Brasil é notório por sua alta desigualdade social e baixo desempenho em termos educacionais. Como país que ocupa uma área de dimensões continentais, fazem-se perceber também grandes desigualdades no seu território. Nas últimas décadas, emergiu o consenso da “inaceitabilidade” da desigualdade, seja por suas consequências econômicas, seja pelo embasamento de justiça social. Os palestrantes apresentarão as trajetórias das desigualdades no Brasil, considerando o papel de políticas públicas e os custos envolvidos para o País. Carlos Roberto Azzoni e Naércio Menezes Filho, ambos professores do Departamento de Economia da FEA, são considerados grandes referências nacionais e internacionais nos temas sobre os quais discorrerão. Ambos possuem importantes contribuições acadêmicas em suas respectivas áreas de pesquisa e compõem a lista dos docentes mais produtivos na última década.

Conferencistas: Carlos Roberto Azzoni e Naercio Menezes Filho
Data: 4ª feira – 26 de outubro, das 11h15 às 13h

TEMA VI: Repensar São Paulo para repensar o Brasil

Com a população brasileira amadurecendo, o componente da população em
idade economicamente ativa tende a estabilizar-se até 2040, e já neste momento, a cada ano cresce cada vez mais lentamente.  Uma análise conjunta da evolução da PEA e do PIB brasileiro aponta um dos principais desafios do Brasil. Para atingirmos em 25 anos o mesmo nível atual de renda de Portugal ou da Grécia, precisamos quase dobrar a produtividade média de cada trabalhador brasileiro. Como a nossa PEA tende à estagnação, o “bônus demográfico” praticamente não vai mais
ajudar, e cada trabalhador precisará gerar o dobro de valor com seu trabalho. Nós não preparamos uma estrutura humana e econômica capacitada para competir globalmente, e precisamos trabalhar melhor, gerando mais valor com inovação e ganhos de eficiência. Para analisar este desafio nacional o Prof. James Wright da FEA-USP apresentará algumas conclusões o estudo SP2040, de planejamento estratégico de longo prazo para São Paulo, coordenado pelo Programa de Estudos do Futuro da FEA-USP, e seus desdobramentos para o Brasil.

Conferencista: James Wright
Data: 5ª feira – 27 de outubro, das 11h15 às 13h

TEMA VII: Gestão pública e protagonismo cidadão no Brasil

O Brasil foi o primeiro país em desenvolvimento a tomar iniciativa em reformar sua gestão pública, em 1995. Um dos seus grandes desafios (ainda) é o de romper com os elementos paternalistas e clientelistas que ainda permeiam a atuação da máquina pública e que impedem a participação de recém-egressos do ensino superior. Estudantes, ex-alunos e integrantes da comunidade externa abordam os caminhos atuais da gestão pública institucionalizada no Brasil. Qual é o papel da academia no exercício do controle social sobre as contas públicas no Brasil? O que fazer para ampliar as iniciativas relacionadas à Administração Pública na FEA/USP? Como desenvolver as competências necessárias em potenciais administradores públicos? Estas são algumas das perguntas propostas pelos alunos da FEA/USP aos especialistas em gestão cidadã. Uma gestão na qual um coletivo de cidadãos se une para realizar um projeto de gestão em especifico, de natureza pública. Trata-se, portanto, de olhar para o futuro e discutir a construção de um modelo alternativo de gestão pública no Brasil.

Conferencistas: Ana Carolina Rodrigues, Comitê de Estudantes FEAUSP, Centro de Liderança Pública e Vetor Brasil
Data: 3ª feira – 8 de novembro, das 17h às 19h

TEMA VIII: O futuro do trabalho no Brasil

Quais serão as ocupações remuneradas que constituirão a oferta de trabalho decente para aqueles que alcançarão sua primeira plenitude profissional na década de 2040? Além da busca do desenvolvimento por meio de cadeias setoriais tradicionais, como a agricultura, a indústria e o setor de serviço, o Brasil assumiu novos compromissos, entre os quais, as metas da Agenda 2030 que inclui 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris para enfrentar as mudanças climáticas. Qual é a oferta de trabalho decente que esses compromissos relacionados à economia verde pode gerar no Brasil? Finalmente, como construir e disseminar no Brasil um sistema de valores que, além da produtividade, esteja baseado no culto à dignidade humana, no combate à injustiça e à discriminação, na consolidação dos laços sociais por meio do convívio humano e na mitigação dos riscos para evitar suas trágicas consequências.

Conferencistas: Peter Poschen (OIT) e conferencistas convidados
Data: 2ª feira – 21 de novembro, das 9h às 17h30

 

Datas:

TEMA I: Governança pública e governança empresarial

Conferencista: Pedro Parente, Presidente da Petrobras

Data: 2ª feira – 26 de setembro, das 8h45 às 10h30

 

TEMA II: Integridade corporativa no Brasil

Conferencistas: Nelson Carvalho, Sandra Guerra e Jerônimo Antunes

Data: 5ª feira – 13 de outubro, das 11h às 13h

 

TEMA III: Previdência Social: um modelo equilibrado e duradouro?

Conferencistas: Hélio Zylberstajn, Luís Eduardo Afonso e Eduardo Zylberstajn

Data: 2ª feira – 24 de outubro, das 11h15 às 13h

 

TEMA IV: Ajuste fiscal e desenvolvimento no Brasil

Conferencistas: Carlos Antonio Luque, Nessim Zagha e Simão David Silber

Data: 3ª feira – 25 de outubro, das 11h15 às 13h

 

TEMA V: A desigualdade no Brasil

Conferencistas: Carlos Roberto Azzoni e Naercio Menezes Filho

Data: 4ª feira – 26 de outubro, das 11h15 às 13h

 

TEMA VI: Repensar São Paulo para repensar o Brasil

Conferencista: James Wright

Data: 5ª feira – 27 de outubro, das 11h15 às 13h

 

TEMA VII: Gestão pública e protagonismo cidadão no Brasil

Conferencistas: Ana Carolina Rodrigues, Comitê de Estudantes FEA/USP, Centro de Liderança Pública e Vetor Brasil

Data: 3ª feira – 8 de novembro, das 17h às 19h

 

TEMA VIII: O futuro do trabalho no Brasil

Conferencistas: Peter Poschen (OIT) e conferencistas convidados

Data: 2ª feira – 21 de novembro, das 9h às 17h30

 

Programação – Site comemorativo dos 70 anos da FEAUSP: www.fea70anos.fea.usp.br

Realização: GT Futuro – FEA 70 anos

Local : Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – Av. Prof. Luciano Gualberto, 908 – Cidade Universitária – São Paulo.

Inscrições pelo link: https://goo.gl/forms/FhDYW8hFIgbw77eb2

 

 

 

Currículo resumido dos conferencistas

Ana Carolina de Aguiar Rodrigues

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, com concentração em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Mestrado e graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia. Graduação em Administração pela Universidade do Estado da Bahia. Atualmente, leciona na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Integra equipes de pesquisa com foco em comprometimento e entrincheiramento organizacional (UFBA) e com foco em gestão estratégica de pessoas (USP). Tem experiência nas áreas de Administração e Psicologia, atuando principalmente em temas de Comportamento Organizacional e de Gestão de Pessoas: vínculos no trabalho, comprometimento e entrincheiramento com a organização, cognições organizacionais, mapas cognitivos, medidas de comportamento organizacional e gestão estratégica de pessoas.

Carlos Antonio Luque

Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo, mestrado e doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo. Professor Titular da FEA/USP onde ministra aulas de Introdução a Economia, Macroeconomia e Contabilidade Social. Atuou como professor visitante e pesquisador na University of Califórnia (UC), Berkeley, nos anos de 1985 e 1986. Foi Secretário Adjunto da Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo durante o período de 1995/2005. Atualmente é Diretor-Presidente da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas-FIPE. Se dedica aos estudo da inflação, emprego, panorama macroeconômico e economia brasileira. Atualmente suas principais áreas de interesse são crescimento econômico, política fiscal e avaliação de políticas públicas.

Carlos Roberto Azzoni

Economista (Associação Padre Anchieta de Ensino, 1971), Mestrado (1975) e Doutorado em Economia (1982), IPE, FEAUSP. Professor da FEAUSP desde 1973; Livre-Docente desde 1985; Professor Titular desde 1995. Foi chefe do Departamento de Economia, vice-diretor e diretor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Distinguished Visiting Professor, University of Illinois (2012). É membro do Conselho de Relações Internacionais da USP, do Conselho Deliberativo do Instituto de Relações Internacionais da USP e do Overseers Committee of the Lemann Institute for Brazilian Studies, University of Illinois. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: desigualdade regional, desigualdade de renda, convergência, distribuição de renda e decisões de investimento. Foi membro do conselho científico da Regional Science Association International, foi fundador e é membro do Conselho Superior da ABER – Associação Brasileira de Estudos Regionais e da Regional Science Association of the Americas. É membro de conselhos editoriais de 4 revistas internacionais e de 6 nacionais. É parecerista de 15 revistas internacionais e de 12 revistas nacionais. Tem Bolsa Produtividade em Pesquisa do CNPq; é pesquisador do INCLINE – Núcleo de Apoio à Pesquisa em Mudanças Climáticas da USP; é pesquisador do INCT Mudanças Climáticas, com apoio do CNPq e da Fapesp.

Hélio Zylberstajn

Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade de São Paulo (1969), graduação em Economia pela Universidade de São Paulo (1980) e doutorado em Relações Industriais – University of Wisconsin-Madison (1987). É Professor Associado Atualmente do Departamento de Economia da FEA/USP – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. É membro de CONSEA – Conselho Superior de Estudos Estratégicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e do COE – Conselho de Orientação Econômica da Associação Comercial de São Paulo. É consultor do Banco Mundial, da OIT e do BID. Foi presidente da Associação Instituto Brasileiro de Relações de Emprego e Trabalho.

James Terence Coulter Wright

É doutor em Administração pela Universidade de São Paulo (1990), com mestrado em Engineering Management – Vanderbilt University (1977) e graduação em Engenharia Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1975). Atua como professor da Universidade de São Paulo, Diretor da Faculdade FIA de Administração e Negócios, coordenador dos cursos e consultorias do Profuturo/FIA, membro do conselho fiscal da Ambev e do conselho consultivo da Fundação Antonio e Helena Zerrenner. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Empresas, atuando principalmente nos seguintes temas: cenários, estratégia, planejamento estratégico, previsão tecnológica e inovação.

Jerônimo Antunes

Possui mestrado e doutorado em Ciências Contábeis na área de especialização de Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo e graduação em Administração de Empresas e Ciências Contábeis. Atualmente é professor doutor da Universidade de São Paulo, conselheiro de administração independente e membro dos comitês de auditoria e de remuneração e sucessão da Petrobras e da Petrobras Distribuidora, conselheiro de administração independente e coordenador do comitê de auditoria da SABESP, presidente do comitê de auditoria da Desenvolve SP, membro do Instituto Brasileiro de Auditores Independentes – IBRACON, atual membro da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade-ANEFAC, membro do Instituto de Governança Corporativa do Brasil – IBGC e revisor ad hoc da Revista Contabilidade & Finanças e Revista Universo Contábil (Online). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis, atuando principalmente nas seguintes atividades: auditoria independente, assurance services, consultoria empresarial, perícia contábil, avaliação de empresas, coordenação de comitês de auditoria e conselheiro de administração. Perito-Contador e Perito-Contador Assistente Técnico em diversas contendas, com atuações nas Câmaras de Arbitragem e Mediação do CIESP-FIESP, OAB e Câmara de Comércio Brasil-Canadá e no Poder Judiciário.

Luís Eduardo Afonso

Possui graduação em Engenharia de Produção – Área Mecânica pela Universidade de São Paulo (1990), graduação em Economia pela Universidade de São Paulo (1994), mestrado em Economia de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas – SP (1999) e doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo (2003). De setembro de 2007 a 2012 foi Professor Doutor do Departamento de Contabilidade e Atuária (EAC) da FEA/USP. De setembro de 2012 a setembro de 2014 foi Professor Doutor 2 do EAC/FEA/USP. De agosto de 2010 a agosto de 2012 foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade do Departamento de Contabilidade e Atuária (PPGCC) da FEA/USP. De agosto de 2012 a agosto de 2014 foi vice-coordenador do PPGCC. Foi coordenador do Doutorado Interinstitucional (DINTER) entre USP, UEFS e UNEB de agosto de 2012 a agosto de 2014. Desde setembro de 2014 é Professor Associado da USP. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia dos Programas de Bem-Estar Social, atuando principalmente nos seguintes temas: Previdência Social, Seguro, Microsseguro e Educação. Autor de diversos capítulos e organizador do livro "Tecnologia, Educação e Contabilidade" (Ed. Atlas, 2015)

Luiz Nelson Guedes de Carvalho

Graduado em ciências econômicas pela Universidade de São Paulo (1974), e em ciências contábeis pela Faculdade São Judas Tadeu (1976). Mestre (1990) e Doutor (1996) em controladoria e contabilidade pela Universidade de São Paulo – áreas de concentração: gestão de riscos, contabilidade internacional e auditoria independente. Agraciado com o título "Doutor Honoris Causa" honraria concedida pela FECAP (2014). Professor no Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA USP, lecionando Contabilidade Internacional, Auditoria e Perícia, Relatos Corporativos Integrados (Finanças e Sustentabilidade) e Teoria da Contabilidade. Participa da coordenação dos laboratórios de Auditoria e Perícia e de Contabilidade Internacional (FEA USP). Membro do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) Brasil e seu vice-coordenador de Relações Internacionais; Vice-representante oficial do CPC Brasil no EEG (Emerging Economies Group) do IASB (International Accounting Standards Board) de Londres. Membro do Conselho Consultivo do Projeto "Accounting for Sustainability – A4S", iniciativa do Príncipe de Gales – Londres. Membro do IIRC (International Integrated Reporting Council) – grupo de trabalho dentro do projeto "Accounting for Sustainability – A4S". Membro do Comitê de Governança e Nomeações do IIRC (International Integrated Reporting Council).

Naercio Aquino Menezes Filho

Possui graduação em Economia pela Universidade de São Paulo (1986), mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (1992) e doutorado em Economia pela University College London (1997). Atualmente é Professor Titular (cátedra IFB) e Coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, Professor Associado da Universidade de São Paulo e Consultor da Fundação Itaú Social. Membro do Comitê Científico do Núcleo Ciência pela Infância. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Capital Humano e Organização Industrial, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, mercado de trabalho, distribuição de renda, produtividade, tecnologia e desemprego.

Peter Poschen

Diretor residente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para o Brasil. Um dos principais especialistas da OIT em desenvolvimento sustentável e mudança climática, com experiência de mais de 30 anos em quatro continentes e foco nas dimensões sociais do uso de recursos naturais. Foi diretor do Departamento de Empresas, coordenou o Programa Global de Empregos Verdes da OIT e foi um dos principais autores do relatório "Oportunidades de trabalho decente e inclusão social numa economia verde". Antes de integrar a OIT, serviu como voluntário na Etiópia e foi pesquisador da Universidade de Freiburg, na Alemanha. Em 2015, publicou a obra Decent Work, Green Jobs and Sustainable Economy: Solutions for Climate and Sustainable Development.

Sandra Guerra

Foi Presidente do Conselho de Administração do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), entre 2012 e 2016, e uma de suas fundadoras. Sócia-diretora da Better Governance, consultoria de governança corporativa, com foco em conselhos de administração. Atuou como conselheira ou presidente em conselhos de administração e consultivo em diversas empresas, listada ou fechadas. No mesmo período, foi membro do Council do International Integrated Reporting Council (IIRC). Foi ainda membro por duas vezes do Conselho de Administração do International Corporate Governance Network (ICGN) e seu foco de pesquisa é o conselho. É Certificada como Conselheira de Administração pelo IBGC e como Mediadora pelo CEDR-Centre for Effective Dispute Resolution, do Reino Unido.

Simão Davi Silber

Professor Doutor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Pesquisador na área de Economia Internacional. Possui graduação em Economia pela Universidade de São Paulo, mestrado em Economia pelo Fundação Getúlio Vargas – RJ e doutorado em Economia pela Yale University. Dedica-se ao estudo das oportunidades para o Brasil sair da crise através da retomada dos investimentos produtivos com um programa ambicioso de concessões em infraestrutura e aumento das exportações. Pesquisa o desempenho da economia brasileira e seu impacto nas finanças públicas estaduais.